• LOGIN
    • Nenhum produto no carrinho.

” Os Cravos e a Rocha”, da realizadora Luísa Sequeira | 27 Julho, 21:30

Nota biográfica – Luísa Sequeira 

Realizadora e produtora cultural, com especialização em realização de documentários. Iniciou a carreira em Moçambique. Durante 10 anos trabalhou em televisão produzindo e coordenando vários projectos.  Frequentou o curso de Communicatiewetenschap na Katholieke Universitie Nijmegen na  Holanda. Escreveu a monografia “ A evolução da televisão em Moçambique- O caso TVM”.
De 2001 até 2012 trabalhou na RTP, como jornalista e coordenadora de projetos, entre eles destaca-se o programa “Fotograma” um magazine dedicado ao cinema.
Coordenou e realizou o “Porto sem Nó”,  vencedor do Festival  Internacional de Televisão do Rio de Janeiro.
Em 2013 co-realizou com o artista Sama  uma série de animação de 13 episódios para o canal Brasil.
Em 2015 realiza e produz o documentário ” Os Cravos e a Rocha”.
Em 2015  co-realiza com o Sama a curta de animação “Motel Sama”  para exibição no Canal Brasil.
Em 2016  realizou e produziu  filme experimental “ La Luna” que estreou no Festival internacional de cine y vídeo experimental Bideodromo, e realiza a curta em Super 8mm  “ Memória, substantivo feminino”
Desde 2010 que realiza e faz a curadoria do  Shortcutz Porto ( Festival de curtas-metragens que conta com mais de 200 edições) e desde 2014  que assume a programação do Super 9 Mobile, o primeiro festival português exclusivamente dedicado a filmes realizados com telemóveis.
Atualmente está a finalizar o documentário  “ Quem é bárbara Virgínia?”  e a desenvolver com a investigadora Paula Sequeiros  trabalhos de investigação sobre a Bárbara Virgínia.
Está em fase de escrita e pré produção de um filme sobre “As Novas Cartas Portuguesas” com a Ana Luísa Amaral e a Luísa Marinho.
Trabalhos científicos e de investigação:
Sequeira, Luísa e Sequeiros, Paula. «Bárbara Virgínia, cineasta precursora e artista, de Portugal para o Brasil». Faro: Congresso da Assoc. Portuguesa de Sociologia,  6-8 julho 2016.
Sequeiros, Paula, e Sequeira, Luísa. «Bárbara Virgínia, a forerunner filmmaker: from Portugal to Brazil». Lisbon: Intl. Conference Gender Studies in Debate: Pathways, challenges and interdisciplinary perspectives, 25-27th May 2016.

Sinopse:

25 de Abril de 1974, o iconoclasta cineasta brasileiro Glauber Rocha está em Portugal. Entra no filme colectivo da revolução dos cravos, ”As Armas e o Povo”. Com seu olhar estrangeiro e peculiar, rompe com as regras convencionais do se fazer cinema. Passados 40 anos da revolução voltamos à rua.
“Os Cravos e a Rocha” (foi exibido em vários festivais entre eles; Luso Brasileiro, Indielisboa, Festival de Internacional de  Curtas-metragens  de São Paulo, NY Portuguese Short Film Festival, Premier Brasil no Festival do Rio de Janeiro, Festival de Belo Horizonte  e o Córtex)

Link Trailer:

https://vimeo.com/146103875
Texto do Jorge Campos sobre “Os Cravos e a Rocha”

“A sua participação em As Armas e o Povo (1974), um dos filmes míticos da Revolução de Abril feito por um colectivo do qual faziam parte alguns dos mais importantes cineastas portugueses da altura, não foge a esse registo. “Sem linguagem nova não há realidade nova”, dizia Glauber. De certa forma, é disso que trata o documentário de Luísa Sequeira Os Cravos e a Rocha, no qual o vemos em acção, porventura dando corpo àquilo que é a chave do seu universo, revelada em epígrafe: “A Politica e a Poesia são demais para um só homem”. Eis, então, Glauber a filmar a Revolução em Lisboa. Em boa companhia. António Escudeiro é o seu director de fotografia. Glauber entra e sai de campo. Faz perguntas. Umas mais previsíveis, outras nem tanto. Mas, em qualquer dos casos, elas obedecem ao intuito de não esconder o dispositivo cinematográfico. Sim, trata-se de um filme. As respostas, por vezes, parecem desajustadas à epopeia. A epopeia, porém, é a expectativa do espectador. Glauber finta o engodo. Não há nada de heróico no testemunho da mulher que não tem opinião, mas tem uma família e faz-lhe confusão a enxurrada de coisas contraditórias que lê. No entanto, Glauber está com a Revolução. Sebastianismo? Talvez. Ele conhece, ama, os mitos portugueses: sobressalto, paixão. E lucidez. Luísa Sequeira desenha depois o seu próprio final. Grândola Vila Morena dá um salto no tempo até 2014. É agora Grândola Vila Moderna. O documentário opera a metamorfose da terra da fraternidade em terra da fragilidade. Mas há o índice de um arco do triunfo. A efígie de Salgueiro Maia. Forte e contingente. Glauberiano. Premonitório?“ Jorge Campos

17/07/2017

Contactos

Rua da Alegria n.º 940/942, 4000-040 Porto
+351 968 379 910 | +351 225 490 993
[email protected]

Política de Privacidade

Redes Sociais




Junta-te a Nós

IPCI 2016 © Todos os direitos reservados
X